Se você achou este artigo pelo Google, certamente está interessado(a) em localizar e visitar cascatas e cachoeiras pelo RS. Você está certíssimo em fazer isso, pois temos mais de 160 cachoeiras para visitar. No entanto, algumas chamam mais a atenção.

Informações das 10 cachoeiras mais lindas do Rio Grande do Sul

Antes de você consumir este conteúdo de valor e começar a planejar a sua aventura para estes destinos, siga a gente no Instagram para ficar por dentro de outros destinos incríveis no RS! Clique abaixo

Como mencionamos, há mais de 160 cachoeiras no Rio Grande do Sul, então é muito difícil escolher as 10 mais lindas e incríveis para compartilhar com vocês. A escolha destas 10 baseou-se na altura e quantidade de água das cachoeiras, entretanto é notório que as outras 150 também são lindas e merecem ser visitadas por vocês.

Mas é claro que se o seu tempo é curto, você irá querer ir direto nas mais “tops”, então lá vai:

1.CASCATA DO CHUVISQUEIRO – RIOZINHO/RS

A Cascata do Chuvisqueiro certamente está no topo da lista das cachoeiras mais lindas do RS. Está localizada no município de Riozinho/RS e a uma distância de 120km de Porto Alegre/RS.  O seu acesso fica em propriedade particular e paga-se um valor para visitação. É de fácil acesso, pois não há trilha para chegar na base da cachoeira.

Possui 76 metros de altura e forma uma enorme piscina para banho, com partes fundas inclusive. Durante o período de verão, a mesma propriedade contrata o serviço de salva-vidas para diminuir o risco de afogamentos e negligência por parte dos banhistas.

A água desta cachoeira costuma ser um tom lindo de verde, já que é um rio com águas límpidas. Mas quando ocorre fortes chuvas na região e ocorre a “cabeça d’água” a sua tonalidade fica turva devido a levar muita areia e pedras rio abaixo.

É possível visitar também a cachoeira pela sua parte superior. Para isso, basta seguir a estrada ao lado da entrada e cerca de 600 metros haverá uma placa e a indicação de acesso no lado esquerdo. Mas muito cuidado, pois há partes muito lisas na cabeça da cachoeira e inclusive já ocorreram mortes de pessoas que chegaram próximo demais da queda e caíram.

Para você que curte viajar para lugares com poucas pessoas, sugerimos que busque visitar esta cachoeira do período de Abril a Novembro, pois no auge do verão (Dezembro a Março), a Cascata do Chuvisqueiro costume lotar e ficar um clima bastante desagradável para curtir o dia.

DICA BÔNUS: na mesma propriedade há o acesso para outro atrativo, a Cascata Três Quedas. Possui uma trilha de cerca de 25 minutos e vale muito a pena também.

2.CASCATA DA PEDRA BRANCA – TRÊS FORQUILHAS/RS

Bom, vamos lá! Esta cascata é simplesmente impressionante: tem aproximadamente 120 metros de queda d’água, rodeada por uma formação rochosa imponente e com muita vegetação preservada. Quase no final, a água encontra uma formação rochosa, criando uma bifurcação da queda. Aaah, e se você é do time dos que gostam do banho na cachoeira, esta é uma boa oportunidade para mergulhar, já que a piscina formada para banho é razoavelmente grande.

De início cabe lembrar que este paraíso é pouco conhecido, sendo um lugar público. Isso quer dizer que você não vai encontrar nenhuma infraestrutura: banheiros, lancherias, bancos, lixeiras, etc. Ou seja, vá preparado! Leve seu lanche e não esqueça de trazer o seu lixo de volta.

Fomos conhecer a cascata no inverno e por isso tivemos o privilégio de contemplá-la em silêncio. Mas normalmente, em finais de semana, as famílias que moram nos arredores vão fazer churrasco em um ponto que antecede a cascata.

O caminho para acessar a cascata é pela Rota do Sol (BR 486). Para quem vem da BR 101, vai dirigir por cerca de 20 minutos até chegar ao posto Limeira. Nesse ponto você vai entrar à direita e já estará na estrada que leva até a cascata. Percorremos 9 km de estrada de chão até o ponto em que deixamos o carro.

Falando nisso, a boa notícia é que se você tem um carro alto (SUV) é possível chegar de carro até muito próximo da cascata, precisando caminhar somente alguns metros. Mas se você possui um carro de passeio, um carro baixo (e tem apreço por ele rsrsrs), recomendamos deixá-lo distante e aproveitar a oportunidade para trilhar. Isso porque a estrada que leva até a cascata tem bastante pedregulhos e alguns aclives que podem detonar o seu carro.

Mas, nós optamos por deixar o carro há aproximadamente 5 km de distância da cascata para evitar maiores transtornos e também para poder curtir o visual. Pois é! Foi uma caminhada bem extensa, mas ao longo do caminho você vai contemplar os paredões dos cânions, muita vegetação preservada, avistará muitos animais nas fazendas e poderá seguir o caminho do rio. Podemos garantir que ao final dessa longa distância você será recompensado com uma das mais lindas quedas do RS.

Para localizá-la, basta inserir o nome no GPS e facilmente a rota é estabelecida. Não paga-se nenhum valor para acesso e o melhor período para visitá-la também é períodos fora do verão.

Fonte: Arrume essa Mala

3.CASCATA DO GARAPIÁ  – MAQUINÉ/RS

A Cascata do Garapiá fica localizada no distrito de Barra do Ouro, interior de Maquiné/RS. Uma queda de cerca de 12 metros de altura e uma grande piscina para banho. Ela é considerada uma das mais lindas do Rio Grande do Sul devido a coloração da sua água que é transparente e esverdeada.

É de fácil acesso, isto é, percorre-se uma trilha por cerca de 5 minutos. Fica em propriedade privada e por isso, paga-se um valor para acessá-la e usufruir do espaço.

Faz parte da região do litoral gaúcho e fica a uma distância de 162km de Porto Alegre/RS.  Esta cascata é extremamente famosa e dependendo do período que você for visita, pode encontrá-la lotada de banhistas. Então mais uma vez, indicamos que vá em períodos de baixa temporada (Abril a Novembro), para usufruir e curtir o espaço e natureza com tranquilidade.

A Cascata do Garapiá fica localizada no distrito de Barra do Ouro, interior de Maquiné/RS. Uma queda de cerca de 12 metros de altura e uma grande piscina para banho. Ela é considerada uma das mais lindas do Rio Grande do Sul devido a coloração da sua água que é transparente e esverdeada.

É de fácil acesso, isto é, percorre-se uma trilha por cerca de 5 minutos. Fica em propriedade privada e por isso, paga-se um valor para acessá-la e usufruir do espaço.

Faz parte da região do litoral gaúcho e fica a uma distância de 162km de Porto Alegre/RS.  Esta cascata é extremamente famosa e dependendo do período que você for visita, pode encontrá-la lotada de banhistas. Então mais uma vez, indicamos que vá em períodos de baixa temporada (Abril a Novembro), para usufruir e curtir o espaço e natureza com tranquilidade.

4.CASCATA RIO SÃO MARCOS – SÃO MARCOS/RS

Esta queda é extremamente pouco conhecida comparada ao tamanho da sua beleza. Fica localizada na divisa dos municípios de São Marcos/RS e Caxias do Sul/RS e para chegar até a mesma, basta inserir o nome no GPS.

Estrada em boas condições, mas pode tornar um problema em dias de chuva. O acesso à base da cascata é de acesso moderado, inicia-se depois da ponte, à esquerda, em uma trilha que leva cerca de 5 a 10 minutos, de nível moderado.

O acesso é público, isto é, não requer pagamento de nenhuma valor para visitação, e por conta disso, não há nenhuma infraestrutura para o visitante. É comum que tenha pescadores próximo a esta cascata, então evite de ir sozinho.

Possui aproximadamente 20 metros de altura e há 4 feiches de água, parecendo assim uma catarata, aliás, há geralmente um bom volume de água, já que é bem larga também.

Talvez você pense do por quê ela está nesta lista, talvez não seja tão incrível assim pela foto, mas saiba que estar na frente desta cachoeira é simplesmente emocionante. Vale a pena demais a visitação.

CASCATA DAS ANDORINHAS – ROLANTE/RS

A cascata das Andorinhas fica localizada  no Vale do Paranhana (Rio Grande do Sul),  no município de Rolante/RS.  É uma das mais famosas do RS, mas não pelo seu tamanho, e sim pela beleza do cenário, que por muitas vezes, é utilizado em ensaios fotográficos.

A queda d´água não é muito grande – não mais que 15 metros de altura – mas o que faz daquele lugar um encanto são as paredes rochosas que entornam a cascata e seu rio. Ficamos literalmente em um enorme corredor de pedras e águas rasas, como se fosse uma gigante caverna habitada pelas graciosas andorinhas – e por isso o nome da cascata.

O grande encanto desta cascata é também pelos raios do sol, que penetram na mata por volta do 12:00, que é também o melhor horário para a visitação e para as suas fotos.

O acesso é livre, isto é, não requer pedir permissão ou pagamento de taxa de entrada para a visitação. Você irá deixar o veículo próximo a ponte e depois vai seguir caminhando. Saiba que você deverá fazer uma trilha para acessá-la, mas de nível moderado, que demorará por volta de 20 minutos. Bem provável que você também precise molhar os calçados, mas vai depender do nível do rio, já que é obrigatório atravessá-lo.

Para localizar este destino, basta inserir o seu nome do GPS e a rota será estabelecida em segundos.

Sem dúvida que é uma das cascatas mais lindas que temos no Rio Grande do Sul e que você precisa visitá-la.

PARQUE SALTO VENTOSO – FARROUPILHA/RS

Parque Salto Ventoso ou até Cachoeira do Salto Ventoso está localizada no município de Farroupilha/RS. A cachoeira fica em meio a mata nativa, porém de fácil acesso e com bastante infraestrutura para todos os públicos

O local fica a uma distância de 116 km da cidade de Porto Alegre/RS e para quem vem da capital, vai enfrentar estrada de asfalto, de pedra e de chão batido, tempo aproximado de 2 horas de viagem. O parque fica a 12 km da cidade de Farroupilha/RS .

Antes de chegar ao parque, pela estrada à esquerda, a parada no mirante é obrigatória (modo de dizer), lá é possível ver a cachoeira de frente e de um ponto mais alto. O mirante é em uma estrutura de madeira e com proteção com ferro, também com lixeira no local.

Ao entrar, de cara você terá acesso ao riacho e ao mirante que possui com vista para a região de mata nativa e também parte da cachoeira vista de lado. Existem placas no local com orientações sobre as trilhas e pontos de acesso. Não deixe de caminhar por cima da pinguela que atravessa o riacho, muito divertido.

No caminho para a cachoeira, você conhecerá as ruínas de uma casa construída em  1950 pela família Aguiar. A casa possuía 5 quartos e 2 salões de festa, com isso você já imagina o tamanho e até mesmo desperta a imaginação: já pensou em acordar ao lado de uma das mais lindas cachoeiras do RS. A casa foi construída em uma área de sesmaria, que eram áreas não ocupadas repassadas do Império para colonizadores. A área também pertenceu ao Conde Paulo de Montravel, que foi  o vicê-cônsul da França no Rio de Janeiro.

Em pouquíssimos metros, descemos em uma trilha de fácil acesso até a área da cachoeira. A queda possui 56 metros e possui passarela de ferro por baixo da gruta, com vista de diversos ângulos e a uma cortina d’água que é formada. Na metade da passarela, dependendo do volume de água, a sensação é incrível devido aos chuviscos que são direcionados à gruta, sendo revigorante ficar ali vislumbrando a natureza. Devido a sua beleza, o local foi cenário para o filme “O Quatrilho” ,em 1996, em uma cena de beijo entre o ator Bruno Campos e Patrícia Pillar, e também da minissérie da Globo, ” O Quinto dos Infernos”, em 2002.

@alex.sandro.pimenta

CACHOEIRA DAS GÊMEAS GIGANTES – SÃO FRANCISCO DE PAULA/RS

Você já deve ter ouvido falar no Parque das 8 Cachoeiras, em São Francisco de Paula/RS, porém talvez não da Trilha das Gêmeas Gigantes. A trilha dá acesso a Cachoeira das Gêmeas Gigantes e é a mais alta cachoeira do parque e uma das mais altas do Rio Grande do Sul.

O Parque das 8 Cachoeiras é um lugar privilegiado com 130 ha de mata atlântica virgem intocável, com vales, cerros e cachoeiras, além de uma enorme variedade de animais silvestres. Localizado em um ponto estratégico.

Quando se escuta esse nome não se entende muito do por quê, só cai a ficha quando se chega até a cachoeira e se espanta pelo seu tamanho. Para falar a verdade, ela é tão gigante que é quase impossível conseguir tirar uma foto dela inteira, mesmo deitando-se no chão. Mas o nome foi dado pelo fato da cachoeira ter 2 feixes de água que caem paralelamente, como se fossem 2 quedas.

Na Trilha das Gêmeas Gigantes, vemos que o caminho é todo auto-guiado, isto é, não é obrigatório a presença de uma guia, apesar de ser recomendado caso você não seja muito experiente em ambientes outdoor.

Existem marcações amarelas por todo o caminho, em muitos momentos elas aparecem em pedras, muitos outros ela aparece nas árvores. Então, basta você ir seguindo a trilha e as sinalizações amarelas pelo caminho.

Para evitar que o trilheiro se perca, há flechas que indicaram o caminho a seguir, também prezando pela segurança, há uns arames, escadas, cabos para apoiar-se nas descidas mais ingrimes ou até mesmo no retorno, já que a volta é mais complicada pela desgaste físico.

Durante a trilha , há muitas pedras soltas e lisas dando grandes chances para um resbalo ou queda, então é muito recomendado que você vá com uma bota de trilha, pois a bota possui travas no solado e  cano alto, evitando uma possível torção no tornozelo.

Há diversas cascatas durante o caminho, perfeitamente posicionadas para uma pausa para beber uma água e tirar umas fotos.

Importante salientar que na Trilha das Gêmeas Gigantes  molha-se os pés, e muito na verdade, pois são aproximadamente 22 travessias no rio Malakow e em algumas vezes a água chega na altura do joelho. Antes que você se apavore, não é igual a Trilha do Rio do Boi, pois o nível do rio de maneira geral é baixo e pouca correnteza. Mas há momentos que é necessário caminhar por dentro do rio, pois são partes que não há trilha nas margens, por terra.

São 14km no total, sendo o tempo ida e volta de aproximadamente 5 a 7 horas (depende do seu condicionamento físico e experiência). Considerada de nível muito difícil.

Fonte: vigensecaminhos.com

CACHOEIRA DO CÂNION AMOLA FACA – SÃO JOSÉ DOS AUSENTES/RS

Este Cânion apesar de não ser tão famoso quanto o Cânion Fortaleza ou Cânion Itaimbezinho, é um dos mais lindos do Rio Grande do Sul. É conhecido também como Cânion da Encerra, e em meio aos seus paredões, há uma das mais belas cachoeiras que temos no Estado, com cerca de 240 metros de altura e é atualmente a 15º cachoeira mais alta do Brasil, auferido pelo projeto Cachoeiras Gigantes.

 

Fica localizada dentro de propriedade particular e não há porteiras fechadas ou pagamento de taxa para visitação.  Ao chegar no destino do GPS, basta estacionar onde há uma placa de estacionamento e ir caminhando até o cânion, que leva em torno de 15 minutos, de nível fácil, já que é bastante plano.

Para visualizar a cachoeira deste ângulo da foto acima, é necessário dar a volta no cânion. O rio que forma a tão bela cachoeira possui pouco volume de água. Não é possível descer até a base da queda.

Se você gosta de acampar, recomendamos que viva a experiência em acampar neste cânion, é realmente memorável.  Caso você não queira acampar, é possível tranquilamente visitá-la durante o dia.

No local não há nenhuma infraestrutura, então leve água, lanches e principalmente  seu lixo consigo.

CACHOEIRA RIO CERQUILHA – BOM JESUS/RS

VOCÊ GOSTARIA DE SER UM EXPERT EM TRILHAS?

TRILHAS: no Iniciante ao Expert

Você está a apenas UM PASSO de ter em mãos um  material digital que irá pegar na sua mão e te transformar em um especialista em trilhas, mesmo se você é iniciante ou já é um trilheiro.

CASCATA DOS MARINS – COTIPORÃ/RS

Uma queda d’água de 71 metros de altura, localizada no município de Cotiporã/RS, cercada por vales e com visão privilegiada do Rio das Antas. Para finalizar a nossa lista das cachoeiras mais lindas do Rio Grande do Sul, não poderíamos deixar de mencionar a Cascata dos Marins, ou Cascata dos Marin.

Fica localizada em propriedade privada e está atualmente em obras e está se tornando um parque de aventuras pela família Marin. Paga-se taxa de acesso para a visitação, seja do topo, seja da base.

No topo, é possível ter uma visão panorâmica e inclusive acampar com visão para o vale. A trilha que dá acesso à base inicia-se um pouco antes do mirante, dobrando-se à direita e descendo por meio da mata nativa, de nível moderado e com duração por aproximadamente 15 minutos até chegar à base, ultrapassando algumas pedras bastante grandes e perigosas.

A queda é linda e forma uma piscina para banho, ora com tom esverdeado, ora com tom mais turvo, dependendo das chuvas em dias anteriores.

Também propício para prática de rapel nesta cachoeira, oferecido por algumas agências da Serra Gaúcha.

Este artigo foi útil para você?

Compartilhamos dicas e novos destinos para você explorar pelo Sul 

Segue a gente no Instagram @vivalastrips, e fique por dentro de novos lugares para você pôr em sua listinha de viagens!

QUEM SOMOS

[/vc_column][/vc_row]

Somos a VIVA!  uma agência de viagens localizada em Porto Alegre/RS  e  as nossas trips são focadas em trilhas e cachoeiras, o que chamamos hoje de ecoturismo ou turismo de aventura.  Os nossos roteiros são exclusivos e para lugares em que poucas pessoas conhecem. O nosso diferencial também é formar grupos pequenos, para você além de conhecer um lindo lugar, também interagir com os outros passageiros e fazer novos amigos.  Explore novos horizontes e na dúvida, VIVA o hoje.

[/vc_column][/vc_row]
[/vc_column][/vc_row]

Você já deve ter ouvido falar no Parque das 8 Cachoeiras, em São Francisco de Paula/RS, porém talvez não da Trilha das Gêmeas Gigantes. A trilha dá acesso a Cachoeira das Gêmeas Gigantes e é a mais alta cachoeira do parque e uma das mais altas do Rio Grande do Sul. 

O Parque das 8 Cachoeiras é um lugar privilegiado com 130 ha de mata atlântica virgem intocável, com vales, cerros e cachoeiras, além de uma enorme variedade de animais silvestres. Localizado em um ponto estratégico. Localizada a 2,5km do lago São Bernardo.

Trilha das Gêmeas Gigantes?

Quando se escuta esse nome não se entende muito do por quê, só cai a ficha quando se chega até a cachoeira e se espanta pelo seu tamanho. Para falar a verdade, ela é tão gigante que é quase impossível conseguir tirar uma foto dela inteira, mesmo deitando-se no chão. Mas o nome foi dado pelo fato da cachoeira ter 2 feixes de água que caem paralelamente, como se fossem 2 quedas.

 

Trajeto

Saímos de Porto Alegre pelas 06h10min, fomos pela RS-020 que apesar de ter mais curvas, não se paga pedágio e é mais perto. Chegamos em torno das 08h35min no nosso destino. O parque conta com um grande estacionamento. Estacionamos próximo aos banheiros, ali já trocamos de roupa, passamos repelente e protetor solar e começamos nossa caminhada. 

Início da Aventura

O início da trilha é bem tranquilo, com bastantes placas, aberto, porém começamos a descida levemente. O caminho é o mesmo para a Cachoeira do Quatrilho. Sempre notamos a presença das placas nesse início, a sinalização do parque é muito boa. 

trilha das gemeas gigantes

Na Trilha das Gêmeas Gigantes, vemos que o caminho é todo auto-guiado, isto é, não é obrigatório a presença de uma guia, apesar de ser recomendado caso você não seja muito experiente em ambientes outdoor. 

Existem marcações amarelas por todo o caminho, em muitos momentos elas aparecem em pedras, muitos outros ela aparece nas árvores. Então, basta você ir seguindo a trilha e as sinalizações amarelas pelo caminho. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Para evitar que o trilheiro se perca, há flechas que indicaram o caminho a seguir, também prezando pela segurança, há uns arames, escadas, cabos para apoiar-se nas descidas mais ingrimes ou até mesmo no retorno, já que a volta é mais complicada pela desgaste físico. 

Durante a trilha , há muitas pedras soltas e lisas dando grandes chances para um resbalo ou queda, então é muito recomendado que você vá com uma bota de trilha, pois a bota possui travas no solado e  cano alto, evitando uma possível torção no tornozelo.

Trilha das Gêmeas Gigantes

Há diversas cascatas durante o caminho, perfeitamente posicionadas para uma pausa para beber uma água e tirar umas fotos. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Importante salientar que na Trilha das Gêmeas Gigantes  molha-se os pés, e muito na verdade, pois são aproximadamente 22 travessias no rio Malakow e em algumas vezes a água chega na altura do joelho. Antes que você se apavore, não é igual a Trilha do Rio do Boi, pois o nível do rio de maneira geral é baixo e pouca correnteza. Mas há momentos que é necessário caminhar por dentro do rio, pois são partes que não há trilha nas margens, por terra.

Fomos durante o verão, dia 21 de Janeiro de 2017, e aproveitamos muito as piscinas naturais durante a trilha e a própria cachoeira. Um ponto positivo da cachoeira, é que ela é rasa, então propicia muita gente a banhar-se na sua água, mas como qualquer cachoeira, é bem gelada. Uma foto de baixo da queda d’água fica sem dúvida incrível. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Falando sobre a queda, é mais fácil e seguro ir até de baixo da queda, inclusive, eu recomendo você deitar naquela pedra e sentir a água, é revigorante!

Vai perder de conhecer uma cachoeira de 98 metros de altura em meio da mata nativa? Programe-se e faça a Trilha das Gêmeas Gigantes! 

Dados importantes

Tempo

O tempo é muito relativo, depende do tamanho do grupo e das condições físicas de cada trilheiro. Mesmo assim o tempo aproximado de duração é de 5h30min de caminhada, ida e volta.

Distância

São cerca de 7,5km de trilha, sendo ao total 15km, ida e volta. Por esse motivo, não é permitido o início da trilha após às 12h00min.

Nível

Esta trilha é de nível 5 pelo parque, isto é, considerada difícil e não é recomendada para pessoas sedentárias, idosos e problemas cardiorrespiratórios.

Ingresso

O valor individual para visitação ao parque atualmente está em R$ 25,00.

Hospedagem

É possível hospedar-se em chalés ou na área de camping.

Aventura

O parque possui tirolesa, arvorismo, parede de escalada e rapel.

VOCÊ GOSTARIA DE SER UM EXPERT EM TRILHAS?

Você está a apenas UM PASSO de ter em mãos um  material digital que irá pegar na sua mão e te transformar em um especialista em trilhas, mesmo se você é iniciante ou já é um trilheiro.

TRILHAS: no Iniciante ao Expert